quarta-feira, 18 de novembro de 2009

Um beliscão e uma pisadela (ou 79?)

Estando a Maria encostada à borda do navio, o Leonardo fingiu que passava distraído por junto dela, e com o ferrado sapatão assentou-lhe uma valente pisadela no pé direito. A Maria, como se já esperasse por aquilo, sorriu-se como envergonhada do gracejo, e deu-lhe também em ar de disfarce um tremendo beliscão nas costas da mão esquerda. Era isto uma declaração em forma, segundo os usos da terra: levaram o resto do dia de namoro cerrado; ao anoitecer passou-se a mesma cena de pisadela e beliscão, com a diferença de serem desta vez um pouco mais fortes; e no dia seguinte estavam os dois amantes tão extremosos e familiares, que pareciam sê-lo de muitos anos. - Trecho de Memórias de um Sargento de Milícias.

Eu ando devendo umas pisadelas por aí. 79 pisadelas. Tá, hoje talvez 80.

***
Este artigo mostra a história dos beliscões nos namoros. Bizarro, se não fosse pelo menos, ahm, verossímil.

***

Isso é rock:


Um comentário:

Luh Lena disse...

devendo pisadelas? não seria por receio de receber um beliscão?