quinta-feira, 8 de outubro de 2009

Polanski e o sacerdote

Antes de mais nada, prometo que deixo Polanski em paz. Assim que ele cumprir sua pena, é claro.

Bem, saiu um soberbo artigo em Aceprensa, que o Jorge também publicou, e no final o autor indaga se, ao invés de Polanski fosse um sacerdote católico o criminoso, a reação seria a mesma. Ainda mais se mais 138 bispos assinassem uma carta em favor do canalha.

É evidente que virou um clichê demoníaco essa história de pedofilia entre o clero. Qualquer debate em fóruns nessa internet afora vira isso: "ah, mas os padres pedófilos... e a Igreja os defendeu..." e baboseiras do tipo.

Muito bem. Polanski embriaga e estupra uma menina. Centenas de artistas saem em seu favor. E cadê as pessoas rasgando as vestes com relação a isso? Onde estão as condenações veementes ao mundo artístico? Pois contra a Igreja não faltam críticas... Hipocrisia?

O mais dramático foi uma cartilha que saiu à época desses escândalos na Igreja dos EUA, e que orientava crianças a não ficarem sozinhas com adultos - ei, e a confissão, como fica?

Bom, será que sairá uma cartilha dessas falando algo sobre diretores de cinema?

2 comentários:

Alexandre M. F. Silva disse...

Rodolfo, o problema é que um crime de pedofilia cometido por um padre é muito mais grave do que o crime do Polanski, não dá para negar isto. É uma quebra de confiança muito séria... Não conheço bem a história do caso do Polanski, mas o que uma menina de 13 anos fazia numa festinha com gente do cinema? Onde estavam os pais dela? Já um padre é alguém em quem os pais normalmente deveriam ter toda a confiança.

Alexandre M. F. Silva disse...

Eu já ouvi histórias de padres que fizeram sexo oral com crianças dizendo que era "coisa de Deus" ou algo assim. Isto é muito pior do que embebedar uma menina para fazer sexo com ela. O que o Polanski fez parece que foi um crime de um pagão contra uma família de pagãos. Mas o que dizer quando católicos se comportam como pagãos e fazem coisas até piores do que eles? No atual momento simplesmente não existe clima para os católicos dos EUA levantarem o dedão em riste contra o Polanski, isto só vai provocar gargalhadas.