quinta-feira, 22 de outubro de 2009

O melão

Há um livro do espanhol Alfonso Lopéz Quintás que trata de literatura. O nome eu não lembro, mas depois posso consultar aqui na biblioteca de casa e indicar. Ali há a explicação do que o autor denomina de "âmbitos de realidade". Sendo suscinto, é quando um acontecimento transcende seu significado inicial, restrito.

Um exemplo claro está na peça MacBeth. Quando Lady MacBeth tenta lavar manchas de sangue nota-se um impressionante transtorno nela. Tal efeito não é consequência de um incômodo com a sujeira do sangue, mas com a sujeira dos crimes cometidos. O sangue é, portanto, um âmbito de realidade.

Eu, que não sou assassino, impressiono-me com coisas bem mais sutis. O melão é, para mim, uma fruta que diz muito além de seu sabor. Antes era assim: apenas uma fruta doce e suculenta. Contudo, hoje, ao comer melão, vêm-me à memória recordações de momentos marcantes, de grandes alegrias. Hoje, o melão é capaz de fazer com que eu tenha sensações muito além do que seu sabor. O melão me faz feliz não por ser melão, mas pelas recordações que é capaz de causar.

terça-feira, 20 de outubro de 2009

Inspiração

Rostropovich tocando Bach. Infelizmente a incorporação do vídeo foi desativada. Mas é sublime.

Rostropovich talvez foi o maior violoncelista do séc. XX.

domingo, 18 de outubro de 2009

Dois milênios antes e depois

É frequente que alguém se espante com uma crença que parmanece imutável há dois milênios. Muito embora seja razoável, dado que o homem é o mesmo, independentemente da cultura na qual esteja inserido. O fato é que afirmações do tipo "nossa, sua crença é anacrônica" são muito comuns.

Para aqueles que dizem, com desprezo, que minha fé é a mesma de dois mil anos atrás, eu retrucarei, daqui em diante, que é a mesma que existirá também daqui a dois mil anos. Se sou membro de uma das mais antigas instituições do mundo isso não significa que estou sendo reacionário. Pelo contrário, este é o legítimo progressista: aquele que ensina o mesmo que será ensinado daqui a dois milênios. Progresso não é um afã desenfreado por mudanças, mas sim que possuir uma meta a ser alcançada.

sexta-feira, 16 de outubro de 2009

Who is the third?

The Wasteland

V - What The Thunder Said


(...)

Who is the third who walks always beside you?

When I count, there are only you and I together
But when I look ahead up the white road
There is always another one walking beside you
Gliding wrapt in a brown mantle, hooded
I do not know whether a man or a woman
—But who is that on the other side of you?

(...)

T. S. Elliot

***

Nesse mesmo dia, dois discípulos caminhavam para uma aldeia chamada Emaús, distante de Jerusalém sessenta estádios. Iam falando um com o outro de tudo o que se tinha passado. Enquanto iam conversando e discorrendo entre si, o mesmo Jesus aproximou-se deles e caminhava com eles. Mas os olhos estavam-lhes como que vendados e não o reconheceram. (Lc 24, 13-16)

***

Meu Deus, como isso é lindo!

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

Nobel da Paz sem Paz 2009

Barack Hussein Obama é o ganhador do Prêmio Nobel da Paz em 2009. Essa notícia deixou muita gente perplexa: que fez Obama em 10 meses de governo para merecer a premiação? Basta lembrar da obra de pessoas anteriormente felicitadas com o Prêmio, como Madre Teresa de Calcutá, e o espanto diante do reconhecimento do trabalho (?) de Obama aumenta ainda mais. Em termos comparativos, ele não fez absolutamente nada.

Muito foi prometido durante a campanha democrata. Houve quem pensasse que, com a eleição de Obama, o mundo entraria em uma espécia de "Pax Obamanis", ou algo semelhante. Para esses, as pessoas trocariam as armas por flores, as bombas nucleares seriam enviadas à Vênus, Plutão voltaria a ser um planeta e Bin Laden iria à Casa Branca, juntamente com o coro da Al Qaeda, cantar "Hakuna Matata" para o novo presidente dos Estados Unidos. Contudo, até agora o máximo que houve foi o envio de uns soldados extras ao Afeganistão, para intensificar a guerra por lá...

Obama ainda é responsável direto pela crise hondurenha. Ao posicionar-se a favor do comunistóide Zelaya, os EUA tornaram-se os principais responsáveis da confusão instalada em Tegucigalpa, mesmo agora tendo reconhecido que o 'golpe' de Micheletti foi... constitucional. Boa parte dos distúrbios lá ocorridos são de responsabilidade do governo americano.

Além disso, Obama recebeu reiterados elogios de personalidades queridíssimas, como por exemplo o presidente líbio Khadafi. Este disse que Obama poderia ser presidente americano para sempre, mais ou menos como o líbio é presidente de seu país para sempre. Atrair a simpatia de ditadores com inclinações ao terrorismo realmente é uma honra digna de um Nobel da Paz...

Lembro ainda que uma das primeiras medidas do governo Obama foi justamente liberar verbas para organizações abortistas e permitir as pesquisas com células-tronco embrionárias. Se no passado Madre Teresa ganhou o Prêmio Nobel e criticou severamente o aborto, hoje Obama talvez tenha ganho a premiação justamente por defender os 'direitos da mulher'.

E o grande pacifista ainda vai intensificar a guerra no Afeganistão, em oposição ao 'belicista' Bush...

Este é o Nobel da Paz 2009: alguém que não fez absolutamente nada pela paz, que é um dos responsáveis pela crise em Honduras, pela intensificação de guerras no Oriente Médio e pelo incentivo ao aborto no mundo.

Em suma, depois que João Paulo II não ganhou o Prêmio Nobel da Paz, tal condecoração certamente perdeu a credibilidade e mostrou-se com um viés ideológico potente.

***

L'Osservatore Romano publicou reservas ante a premiação de Obama. Ainda bem!

quinta-feira, 8 de outubro de 2009

Polanski e o sacerdote

Antes de mais nada, prometo que deixo Polanski em paz. Assim que ele cumprir sua pena, é claro.

Bem, saiu um soberbo artigo em Aceprensa, que o Jorge também publicou, e no final o autor indaga se, ao invés de Polanski fosse um sacerdote católico o criminoso, a reação seria a mesma. Ainda mais se mais 138 bispos assinassem uma carta em favor do canalha.

É evidente que virou um clichê demoníaco essa história de pedofilia entre o clero. Qualquer debate em fóruns nessa internet afora vira isso: "ah, mas os padres pedófilos... e a Igreja os defendeu..." e baboseiras do tipo.

Muito bem. Polanski embriaga e estupra uma menina. Centenas de artistas saem em seu favor. E cadê as pessoas rasgando as vestes com relação a isso? Onde estão as condenações veementes ao mundo artístico? Pois contra a Igreja não faltam críticas... Hipocrisia?

O mais dramático foi uma cartilha que saiu à época desses escândalos na Igreja dos EUA, e que orientava crianças a não ficarem sozinhas com adultos - ei, e a confissão, como fica?

Bom, será que sairá uma cartilha dessas falando algo sobre diretores de cinema?