sábado, 23 de maio de 2009

Proselitismo ateu

Não sei se sempre houve ateus. Ao menos, indiferentes ou pessoas que não levassem a sério as religiões e mitos de seus povos existiram em algumas civilizações. Basta ler a história e ver a crise da religião romana, por exemplo. Chegou um momento em que ela não dizia mais nada a seus fiéis - tanto que o Império tornou-se cristão. Um ateísmo sistemático, porém, parece-me invenção mais recente, algo de, no máximo, uns três ou quatro séculos atrás.

A grande questão é que os ateus de hoje querem fazer que os outros sejam ateus, e desconheço algum registro histórico de um fenômeno semelhante precedente à esse. O cúmulo, evidentemente, são os comunistas: nos países em que essa desgraça triunfou, as crianças são doutrinadas para perderem a fé de seus pais. Há ainda a situação patética de caras como Dawkins - o paladino do ateísmo - que julgam estar a um passo de acabar com as religiões. Todos elas! Pretensão? Megalomania? Delírio - usando um termo dawkinsoniano - ?

Uma grande diferença entre um crente e um cético está justamente na justificação do proselitismo. Um cristão, por exemplo, deve ser proselitista, caso contrário vive mal a sua fé. Ele acredita que a outra pessoa, caso não creia, morrerá eternamente. Isso é uma motivação para expandir a religião, como de fato acontece. A religião apresenta uma dimensão pública, necessariamente, seja na forma de culto, seja através do proselitismo.

Já o ateísmo não apresenta uma dimensão pública de culto. Abolido Deus, a quem irá se cultuar? Sim, deve haver um substituto, pois a natureza humana está inclinada a Deus e, se não o adora, adorará um falso 'deus'. Normalmente, os deuses eleitos são o Estado ou o próprio 'eu'. E, além disso, sem um sentido de eternidade, o ateu acredita que é apenas um grão de poeira no Universo que veio do nada e irá para o nada. Qual o sentido de fazer o bem? De lutar por algo? Eu honestamente não compreendo como um cético se motiva a viver. Talvez amor pelos amigos, pela família? Imagino que sim. O fato é que o único argumento razoável de proselitistas como Dawkins seria um propenso 'amor à verdade', no sentido de fazer com que as pessoas saiam do erro da religião e descubram a grande verdade: Deus não existe e Dawkins está certo. Mas, se não existe Verdade, como pode algo ser verdadeiro? Não é tudo relativo? Se minha vida é apenas um quase-nada, surgido ao acaso do grande nada, sem nenhuma motivação transcedental, por que raios vou comprometer-me a fazer algo que julgo bom ao outro? Se eu vou morrer, apodrecer e nada mais, o mais coerente seria eu aproveitar o máximo possível o 'meu' tempo: os outros que se lixem! Vou lá eu perder meu curto tempo com isso?

Já presenciei uma discussão entre dois ateus, um comunista e o outro não. O comunista argumentou que queria fazer um mundo melhor e o outro discordava visceralmente: queria um mundo pior. Este é coerente. Talvez ele tenha parado para pensar que o conceito de 'melhor' e 'pior' é evidentemente comparativo, e só faz sentido quando há um padrão da comparação. Qual o padrão de comparação do ateu? Algo necessariamente imperfeito, criação humana, afinal ele não acredita em nenhuma realidade transcedental. Não acredita no Bem. Então, tanto faz se isso ou aquilo está bom ou ruim: tudo é relativo, não é mesmo? Até mesmo o conceito de bom e ruim, dizem eles.

E, por fim, eu vejo total sentido em fazer alguém acreditar em algo. Por que raios vou querer fazer alguém não acreditar em algo? Os cristãos não fizeram os pagãos deixarem de acreditar em seus ídolos, simplesmente. Deixaram de acreditar pois deveriam cultuar o verdadeiro Deus. O ateu proselitista quer que deixemos de cultuar esse Deus para cultuar o quê? Nós mesmos? O Estado? Dawkins?

2 comentários:

Alexandre M. F. Silva disse...

Não creio que o ateísmo esteja aumentando hoje, só se tornou mais estúpido e grosseiro. Coisa de gente como Dawkins e cia., interessados em tapar o sol com a peneira e defender certos interesses que não devem ser nada nobres.

Para mim hoje se realiza uma frase de São Paulo (segundo me recordo): "a criação geme e sofre dores de parto, à espera de que se manifestem os filhos da luz". Os gemidos e dores de parto estão a nossa volta, por todos os lados. Saberemos ser "filhos da luz"?

Lienne Werneck Richa disse...

Nooosssaa!!!

Excelente texto!
Vc viu a propaganda que os ateus estavam fazendo, ou querendo fazer, nao sei bem.., nos onibus de Londres? Eu li essa noticia há algum tempo. Absurdo. Algo como "There's probably no God. Now stop worrying and enjoy your life"

Fico apavorada com essas coisas.

Nihilistas. Colocam sua esperança em deuses que não são nada.
Buscam verdades e desprezam a Verdade.
Cultuam seu ego, entregam-se a seus maus desejos e levam outros a se desviarem.
E ainda tem esses comunistas, que formam mal a consciencia de suas crianças.

Loucos.

Me empolguei :P
Só queria dar os parabéns!

:)