sexta-feira, 29 de maio de 2009

O preço da novidade

Esses dias um amigo estava analisando preços dos televisores de LED, a nova tecnologia de reprodução de imagens. São caros, muito caros. Alguns milhares de reais, para ser um pouco mais preciso. Imediatamente lembrei do preo dos televisores de plasma, quando surgiram: em média, o preço era o mesmo do que um carro popular. Pouquíssimas pessoas têm condições de adquirir um produto desses. E todos sabem que passa um ou dois anos e esses aparelhos já estão em um padrão de preço razoável.

Mas eu estive pensando: o que leva um ricaço a gastar 10 mil reais em uma televisão? Certamente não é necessidade, pois esse tipo de aparelho está longe de ser um bem necessário. É o luxo, o privilégio de ser o primeiro a tê-lo. O status. E isso custa caro. E também é fútil. Novidades custam caro; a qualidade só é necessariamente cara quando vem com o status de novidade. E como tem quem queira pagar por isso...

Um comentário:

L. G. Dias disse...

Realmente não dá pra entender: como se não bastasse a péssima qualidade da TV e dos filmes nos últimos tempos, ainda querem ver em Full HD e 72 polegadas.