terça-feira, 3 de março de 2009

Cachorrices e homenzices

Todo dia, quando chego em casa, lá está o meu cachorro, fidelíssimo, abanando o rabo. É isso que posso esperar dele: que brinque um pouco, que coma, que durma e que queira sair para dar uma volta de coleira. Essa rotina só se quebra com alguma doença. Caso contrário, cão é cão as sure as eggs is eggs.

Cada dia que eu chego em casa, contudo, há uma nova expectativa. Alguma conquista, algum fracasso, um fato curioso. Sempre existe algo novo e diferente a contar. A vida humana é completamente imprevisível, e às vezes em apenas um dia pode ocorrer alguma mudança radical.

Eis aí a liberdade: enquanto meu cão todo dia come, dorme e brinca, eu, a cada dia, tenho possibilidades ilimitadas de atuação. Tudo o que acontecer vai depender, em boa parte de minhas escolhas, mas também de um certo 'acaso', que alguns chamam 'destino', e que prefiro chamar 'providência'.

Claro que isso não justifica as burradas que faço e que farei. Essa mesma liberdade, que meu cachorro não tem, traz-me uma série de responsabilidades e expectactivas que criam uma boa 'pressão' sobre mim. Mas, caramba, como isso é bom!

6 comentários:

Andrea disse...

rsrsrs...é verdade, é bom mesmo! É muito digno isso de poder escolher ;)

Christiane Forcinito Ashlay Silva de Oliveira disse...

Amigo

E tem gente que ainda precisa acreditar que não...

E tem gente que só precisa acreditar que sim...

E pior tem gente que nem sabe o que acreditar e vive igual ao seu lindo cachorrinho...

Adorei seu texto!

Chris :)

meiogemeos disse...

Às vezes, é até bom fazer umas burradas menores, pois elas nos ajudam a perceber que, não fosse a Providência, poderíamos ter feito burradas bem maiores.

O problema é que a visão curta e rasteira que temos nos impede muitas vezes de enxergar as pequenas burradas...

A propósito: você anda escrevendo bastante, hein?

Abraço,

Leo

Rodrigo disse...

É a fatalidade da qual falava Ortega y Gasset: "Eu sou eu e minhas circunstâncias"...O mundo se mostra um campo no qual somos obrigados a sermos livres. Somos livres, pois as escolhas nos são, indubitavelmente, impostas pela vida!
Abraço

Grazi disse...

Rodolfo,
"Eis aí a liberdade: enquanto meu cão todo dia come, dorme e brinca, eu, a cada dia, tenho possibilidades ilimitadas de atuação."
Essa ilimitada possibilidade de liberdade que nos compele a viver tão apaixonadamente a cada dia, na esperança de ter o coração mais generoso e puro, a visão mais límpida e perspicaz para contemplar o belo de Deus para nós!
Um abraço fraterno,
Grazi

Rodrigo disse...

De fato, esta encíclica é mutio importante, pois, além das críticas ao comunismo e ao nazismo, é a encíclica programática de todo o pontificado de Pio XII...
Valeu, Rodolfo!