terça-feira, 20 de janeiro de 2009

Dom Quixote de La Mancha Vermelha

Se na época de Cervantes os livros sobre cavaleiros andantes fizeram algum camponês ficar biruta, nossos tempos não ficam muito atrás não. Na universidade, especialmente nas fefeleches da vida, há uma multidão de Quixotes desastrados, esperançosos em mudar o mundo depois que seu cigarro de maconha terminar. Sabe como é, mudar o mundo sem dar uma relaxa é difícil.

Se houve livros de cavalaria dizendo que um desses nobres guerreiros derrotou um exército de um milhão e seiscentos mil combatentes, agora temos a revolução! E ela é mais poderosa do que qualquer cavaleiro andante. A revolução não irá apenas salvar donzelas inocentes e derrotar gigantes, tampouco derrotar exércitos ínfimos como aquele. Não! Vai muito além: irá ajudar a todas as donzelas, todos os mendigos, indigentes, reconciliar lares e derrotar todos os gigantes. Todas as injustiças cessarão, e as pessoas irão dar as mãos e cantar, em uníssono, “Imagine all the people...”. Claro, depois que a fumaça abaixar.

E, obviamente, as figuras quixotescas da atualidade também têm sua donzela: Dilmanéia de Feioso! Recentemente, com uma cirurgia plástica, ela tentou se mudar para Bonitoso, mas não deu muito certo. Os cavaleiros militantes irão defendê-la até a morte, se preciso. Não irão lavar nem cortar os cabelos. Usarão havaianas o tempo todo, e deixarão de fazer a barba. Se possível, farão dreads no cabelo. Tudo em fidelidade a causa.

Nossos bravos heróis, porém, enfrentam um gigante muito maior do que aqueles agredidos por Dom Quixote. E esse gigante tem nome: capitalismo! Ah, o capitalismo, terror de todas as donzelas! Os intrépidos cavaleiros vermelhos lutam incansavelmente contra este moinho... digo, gigante. E hão de vencer! O proletariado vencerá! Fora burguesia! Pela liberalização do aborto, digo, dos direitos da mulher! Pela legalização da maconha!

Ah, se houvesse alguém são nas universidades como aquele Cura da Macha, que queimou os livros de cavalaria andante que causaram a loucura do Quixote. Nossos Quixotes atuais precisavam de um tratamento tão duro quanto.

2 comentários:

Andrea disse...

O tempo passa e as coisas decaem...até os Quixotes de hoje são piores...hehehe

Daniel Souza disse...

Olá Rodolfo,

Fazia um bom tempo que eu não passava por aqui! Aproveitei para surrupiar um texto para o VIDE. Vai "ao ar" amanhã.

Abraços,

Daniel