terça-feira, 25 de novembro de 2008

Brasileirices

Os brasileiros possuem algumas peculiaridades com relação aos demais povos, que não são comentadas nem em “Casa Grande e Senzala”, nem em “Raízes do Brasil”, nem em nenhuma outra obra do estilo. Isso ocorre pois a “Lei de Gerson” e outras características importantes de nosso povo passaram despercebidas por antropólogos, historiadores e ‘intelequituais’ (no melhor estilo Leonardo Boff). Vamos aos fatos.

A Super(des)interessante fez uma matéria, uns anos atrás, para malhar a Igreja... digo, para ‘investigar’ aspectos da história eclesiástica. Pois bem, o tema da vez era a história do papado. E foram consultados teólogos de ‘renome’. Em primeiro lugar, o brasileiro Boff, mas houve até convidado internacional: Hans Küng. Fala sério: poucos lugares no mundo devem ter o ‘privilégio’ de ter acesso aos palpit... digo, opiniões de tão renomados teólogos!

No final da década de 70 houve um simpósio na USP para comemorar os 100 anos do nascimento de Einstein. E a principal palestra era, obviamente, do maior físico brasileiro: César Lattes (inegavelmente um homem brilhante, merecia ter ganho o Nobel). E ele declarou: “Einstein cagou e sentou em cima” (sic!!!!!!!!!!!). Talvez tenha sido a mais original e inusitada homenagem a Einstein naquele ano.

Não poderia deixar de citar nosso presidente. Se Obama é formado em Harvard, Lula é formado pela vida. Que outro país tem a honra de ter seu governo capitaneado por uma pessoa cuja mãe nasceu analfabeta? Ou que desembarca em uma bela capital africana e declara, admirado: “Nem parece a África!”. Vai ver ele esperava ser recebido por leões e girafas, e sair cavalgando em uma zebra.

E, é claro, nosso maior motivo de orgulho: a seleção brasileira de futebol! A influência do futebol no país é tão grande que, daqui a pouco, as pendências judiciais serão resolvidas em uma partidinha rápida: dois vira, quatro acaba. Afinal, estamos no país do futebol (do inglês “football”, “foot”+”ball”, que é jogar bola com os pés)! Olá!

Afinal, o que esperar de um país de filósofos como Marilena Chauí e teólogos como Leonardo Boff? Aqui é o país dos 'intelequituais'!

7 comentários:

Emanuel Jr. disse...

“Einstein cagou e sentou em cima” pra mim salvou a semana.

Mas pensando sério, junto a super, vamos aos fatos. Vc esqueceu de mencionar que agora temos uma eleição de presidente a cada dois anos. Uma para o que se diz presidene do Brasil e outra para o dos EUA. Sim porque as comemorações e expectativas para o Obama foram como se ele fosse nos governar e não defender os interesses do país dele. Mas deixa pra lá, isso foi um fenômeno mundial.

Falando de Brasil, temos um grande Ministro da Saúde que apesar de ser Temporão parece ter nascido primeiro que a própria mae, afinal, por ele todas poderiam abortar a vontade. Será que ele tem mãe? E tem mais, sabemos ainda que se a decisão do STF (pseudo-intelectuais juristas) tivesse sido tomada cerca de 50 anos atrás, muitos, inclusive nosso presidente e nosso Temporão não teriam nascido. Afinal, anencefalia...

Mas deixado a ironia de lado, queria só complementar seu texto que elencou muito bem as sandices contemporâneas com o fato das cotas para alunos de escolas públicas. Vamos rebaixar o nível das Universidades para ão pecisar aumentar o nível dos alunos. Solução fácil e rápida. Paleativo que veremos resultados maravilhosos em cerca de 10 a 15 anos.

Parabéns Rodolfo pelo blog, está cada dia melhor.

Luíza Helena disse...

Excelente. Eu já há muito sofro com a exaltação da mediocridade e, por que não dizer, da idiotice que reina pelos lábios e pelas páginas dos nossos 'fabulosos' pensadores - temos pensadores muito bons, mas por quê a mídia não os procura?
Quanto ao comentário do Emanuel, seria muito bom que as cotas não existissem, pois elas representam a ineficiência e a preguiça de toda uma sociedade em torno do seu fator mais básico, que é a educação. Mas outro problema é o modo como são feitas as cotas... democratiza-se o ingresso, mas não se auxilia na permanência. Daí o cotista não consegue se manter, aí de nada adianta, nem o objetivo das cotas se alcança. O que se tem de fazer urgentemente é reformar o ensino público do país, já deviam ter começado isso quando da discussão das cotas raciais... agora já querem fazer cotas para estudantes de escolas públicas... e o ensino continua o mesmo.

DESABAFO disse...

'Bisbilhotei' o blog e não pude deixar passar a oportunidade de contestar o que alguns disseram sobre o sistema de cotas. Sou contra a maneria como foi feita, no entanto, não se pode avaliá-la por si só. Há um contexto social-histórico-culural que inexorávelmente impele as ações afirmativas. Sugiro a todos a leitura de John Rawls, brilhante filósofo contemporâneo. Ele faz uma re-interpretação do Contrato Social e sugere que todos vistam o véu da ignorância a respeito de si mesmos e da sociedade anes de firmá-lo. Vale a pena ler.
Abraço.

R. B. Canônico disse...

A que4stão das cotas é simples, a meu ver. O Estado tem uma dívida, e não por causa de um fato 'x' ou 'y'. É devido a um déficit educacional cujo principal culapdo é o próprio Estado.

Faz anos que se criou um imenso abismo entre o nível de escolas particulares e o de escolas públicas. Não houvesse esse abismo, o aluno com condição monetária mais precária teria totais condições de ingressar no vestibular que quisesse. Como ele não tem essa condição, o Estado dá um 'jeitinho' e aparentemente ficam resolvidos problemas de injustiças e todo o mais. Na prática, continua tudo na mesma. Portanto, também sou contra.

R. B. Canônico disse...

Como esqueci de citar, no texto, o nosso presidente Figueiredo e sua constragedora sinceridade!

Ao provar leite de soje, ele logo cuspiu fora e decretou: "É uma porcaria!"

Luíza Helena disse...

Eu li Rawls. E, posso estar enganada, mas ele, na sua tão influente teoria da justiça não diz nada sobre as ações afirmativas serem tão inexoráveis a ponto de extinguir a necessidade de eliminar as causas que geraram tal ação.
E figueiredo tem toda razão, menos pros alérgicos a lactose, que também devem achar leite de soja uma porcaria, porque não é leite. O mundo moderno e sua mania de não dar nomes aos substitutos alimentares... onde já se viu comer bife de soja? Ora, eu sou vegetariana justamente para não comer carne... =P

DESABAFO disse...

Rawls não fala exatamente sobre o sistema de cotas. No entanto, a leiutra de sua teoria permite uma reflexão sobre as ações afirmativas. Quem leu sabe o que quero dizer! De outro lado, o problema das cotas não é somente o déficit educacional. Mas um problema social gerado por um país que foi explorado incomensuravelmente pela sua então metrópole e um dos últimos a abolir o regime escravocrata.