terça-feira, 25 de novembro de 2008

Brasileirices

Os brasileiros possuem algumas peculiaridades com relação aos demais povos, que não são comentadas nem em “Casa Grande e Senzala”, nem em “Raízes do Brasil”, nem em nenhuma outra obra do estilo. Isso ocorre pois a “Lei de Gerson” e outras características importantes de nosso povo passaram despercebidas por antropólogos, historiadores e ‘intelequituais’ (no melhor estilo Leonardo Boff). Vamos aos fatos.

A Super(des)interessante fez uma matéria, uns anos atrás, para malhar a Igreja... digo, para ‘investigar’ aspectos da história eclesiástica. Pois bem, o tema da vez era a história do papado. E foram consultados teólogos de ‘renome’. Em primeiro lugar, o brasileiro Boff, mas houve até convidado internacional: Hans Küng. Fala sério: poucos lugares no mundo devem ter o ‘privilégio’ de ter acesso aos palpit... digo, opiniões de tão renomados teólogos!

No final da década de 70 houve um simpósio na USP para comemorar os 100 anos do nascimento de Einstein. E a principal palestra era, obviamente, do maior físico brasileiro: César Lattes (inegavelmente um homem brilhante, merecia ter ganho o Nobel). E ele declarou: “Einstein cagou e sentou em cima” (sic!!!!!!!!!!!). Talvez tenha sido a mais original e inusitada homenagem a Einstein naquele ano.

Não poderia deixar de citar nosso presidente. Se Obama é formado em Harvard, Lula é formado pela vida. Que outro país tem a honra de ter seu governo capitaneado por uma pessoa cuja mãe nasceu analfabeta? Ou que desembarca em uma bela capital africana e declara, admirado: “Nem parece a África!”. Vai ver ele esperava ser recebido por leões e girafas, e sair cavalgando em uma zebra.

E, é claro, nosso maior motivo de orgulho: a seleção brasileira de futebol! A influência do futebol no país é tão grande que, daqui a pouco, as pendências judiciais serão resolvidas em uma partidinha rápida: dois vira, quatro acaba. Afinal, estamos no país do futebol (do inglês “football”, “foot”+”ball”, que é jogar bola com os pés)! Olá!

Afinal, o que esperar de um país de filósofos como Marilena Chauí e teólogos como Leonardo Boff? Aqui é o país dos 'intelequituais'!

domingo, 9 de novembro de 2008

Denúncia. Desabafo

Fiz a prova do ENADE hoje (afinal, se não fizesse não poderia pegar meu diploma). Vejam a questão 4 da referida prova:

As melhores leis a favor das mulheres de cada país-membro da União Européia estão sendo reunidas por especialistas. O objetivo é compor uma legislação continental capaz de contemplar temas que vão da contracepção à eqüidade salarial, da prostituição à aposentadoria. Contudo, uma legislação que assegure a inclusão das cidadãs deve contemplar outros temas, além dos citados.

São dois os temas mais específicos para essa legislação:
(A) aborto e violência doméstica
(B) cotas raciais e assédio moral
(C) educação moral e trabalho
(D) estupro e imigração clandestina
(E) liberdade de expressão e divórcio

A resposta é, claro, a letra "A". É um absurdo a afirmação de que o aborto é um tema que "assegure a inclusão das cidadãs". É um disparate contra o bom senso. É ideologia. O aborto não inclui ninguém: exlcui. Exclui aquele ser em formação que teria uma vida pela frente. Aquele ser é único, inclusive do ponto de vista genético; irrepetível. Enfim, porque eles não colocaram nessa questão a maravilha do aborto na Rússia, por exemplo? Lá, 64% das gestações terminam em uma clínica de aborto, e a população vem decrescendo à uma taxa assustadora: 1 milhão ao ano.

***

Os americamos elegeram Obama para presidente. Mas o restante do mundo foi além: colocou Obama como o salvador da pátria, o homem, a lenda, o mito. Por que raios os brasileiros ficaram tão contentes com a eleição dele? Afinal, em projetos que seriam de interesse brasileiro, ele votou justamente contra esses interesses. Aliás, esperem e verão: as negociações na OMC tendem a ficar muito mais duras para o Brasil.

Ah, mas isso não importa! Obama é negro! Obama é jovem! Obama é o candidato da mudança! Da esperança!

Mudar o que, e como? Talvez nem o democrata tupiniquim mais roxo saiba. Esses progressistas adoram progredir sem saber exatamente para onde. Aliás, a cada eleição mudam de foco, e acabam por chegar a lugar nenhum.

Mas, para que refletir diante da obamia? Agora novos tempos virão! Todos irão depor armas, dar as mãos e cantar alegremente "Imagine"! Um novo mundo está nascendo!

Bom, acho que vou fazer algo mais importante do que pensar no novo mundo obamístico: alimentar o meu simpático dogue alemão.

terça-feira, 4 de novembro de 2008

Terror em Navarra

Sempre tive a impressão que o terrorismo fosse algo distante. Pensava que talvez pudesse preocupar-me com carros-bomba caso visitasse Jerusalém ou Bagdá. As imagens de 11 de setembro pareciam cenas de filme em minha mente, difíceis de serem uma realidade próxima. Mas isso mudou na semana passada, com o atentado à Universidade de Navarra.

Tenho um colega por lá, e sempre há vários brasileiros estudando nesta universidade (fundada há menos de cinqüenta anos por iniciativa de São Josemaria Escrivá). Assim que soube da notícia, enviei um email a ele, mas logo fui tranqüilizado. Ele não estava na instituição, no dia do atentado, mas seus amigos contaram que a explosão foi muito potente, dando a impressão de que colocaria alguns prédios abaixo. Mais: o carro-bomba foi colocado estrategicamente em um local de grande movimentação e, pelo horário da explosão, poderia ter ocorrido uma tragédia imensa. Meu colega diz que Deus protegeu a todos especialmente naquele dia.

O fato é que o ETA, mais uma vez, protagonizou essas cenas de covardia. Acusam eles de ser aquela universidade o centro espiritual e intelectual do que chamam de “Espanha centralista”. Tudo isso fez com que eu sentisse realmente, pela primeira vez, aflição com o terrorismo. Não dá para descrever a angústia, mas é como saber-se atacado pelas costas. Não há como defender-se. Ainda mais por ser uma agressão da qual você não faz idéia das motivações, nem de quem veio. É difícil imaginar covardia maior. A causa basca perde completamente a razão com a ação destes canalhas.

Naquele estacionamento de Navarra foram pronunciadas algumas das mais belas palavras do século XX. Por isso tenho repetido, com insistente martelar, que a vocação cristã consiste em transformar em poesia heróica a prosa de cada dia. Na linha do horizonte, meus filhos, parecem unir-se o céu e a terra. Mas não: onde de verdade se juntam é no coração, quando se vive santamente a vida diária...Que distância entre o que foi dito lá e o eco pavoroso da explosão causada pelo ETA! A humanidade não precisa mais ouvir barulhos de bombas como aquela, mas sim dar atenção a palavras como as aqui citadas.